O RH mudou bastante na última década, deixando de ser um mero coadjuvante do processo organizacional. Hoje, há uma espécie de protagonismo do RH. O setor conta com gente, tecnologia e estratégia de ponta para entregar resultados fora do lugar-comum.

No entanto, muitos gestores ainda deixam o assunto de lado ou não sabem exatamente como desenvolver seu RH estratégico. Isso pode gerar uma série de prejuízos à empresa e aos outros setores, que deixam de extrair grandes resultados do seu capital humano.

Nos tópicos seguintes, explicamos qual a importância do protagonismo do RH, como torná-lo mais estratégico e o papel do gestor nesse processo. Continue a leitura!

Qual a importância do protagonismo do RH?

Quando o RH assume uma posição de destaque, tornando-se diretamente envolvido nas decisões estratégicas, e a empresa adquire uma série de vantagens. Confira!

Garante o Fit Cultural

Contratar a pessoa certa vai além de questões técnicas. Ser bom com números e relatórios é importante para quem vai trabalhar com finanças, mas não é suficiente. Ainda é preciso de integridade, persistência e uma série de outros valores alinhados aos da empresa.

Esse alinhamento de valores entre empregado e empregador é chamado de Fit Cultural — e só um olhar bem treinado, geralmente do RH estratégico, consegue ver isso. Quando existe Fit Cultural, os trabalho é mais satisfatório, produtivo, duradouro e interessante.

Diminui os custos operacionais

Muitos gestores enxergam o RH como um custo adicional. Todavia, o RH estratégico não se encaixa nessa definição. Muito pelo contrário, ele ajuda a reduzir os custos da organização.

Primeiro, porque ele reduz a rotatividade de talentos. Isso significa que será necessário gastar menos com processos demissionais, bem como com complicações pós-demissão (no caso de processos judiciais ou indenizações trabalhistas, por exemplo).

O RH estratégico também ajuda a aumentar a produtividade dos profissionais e equipes, o que gera economia em escala. Ou seja, torna-se possível fazer mais com menos recursos.

Promove a transformação digital

O termo Transformação Digital (TD) está em voga. Consiste na substituição de processos tradicionais por outros mais modernos, digitais e que tenham a ajuda de boas tecnologias. O que poucos sabem é que o RH é a “espinha dorsal” desse processo de transformação.

Veja: é a partir do RH e seus treinamentos que a TD será aprendida e reconhecida como importante. E mais: é por meio dos processos de seleção que gente talentosa, capaz de fazer a TD ganhar vida, vai fazer parte da empresa. Logo, sem o RH, é impossível falar em TD.

Melhora a comunicação interna

Não é comum que se discuta sobre a importância da comunicação dentro da empresa. No entanto, poucos assuntos são mais relevantes. Quando não há um diálogo fluido dentro da empresa, é mais comum que erros, problemas e conflitos ganhem espaço.

O protagonismo do RH ajuda a melhorar a comunicação interpessoal (entre os indivíduos) e intergrupal (entre as equipes ou áreas da empresa). Isso garante um maior alinhamento e unidade na execução das tarefas diárias, o que resulta em acerto e produtividade.

Cria uma vantagem competitiva

As empresas que estão presentes em uma certa indústria costumam competir entre si em diversos pontos — por exemplo: preço, qualidade, agilidade, reputação, etc. Quando se tem um desempenho superior em um desses pontos, tem-se uma vantagem competitiva.

Quando há um protagonismo do RH, o mais natural é que a empresa tenha uma vantagem competitiva. O motivo: seus colaboradores são mais qualificados, empenhados e felizes que a média do mercado. Desse modo, a empresa se destaca dos seus outros competidores.

Então, como estimular o protagonismo do RH e deixá-lo mais estratégico?

Não existe um passo a passo para tornar o RH estratégico. É preciso analisar o seu estado atual e avaliar o que precisa ser mudado. A seguir, separamos três dicas importantes:

Explique o “porquê” da gestão de pessoas

Primeiro, é preciso que todos tenham clareza sobre a importância da gestão de pessoas. Sem profissionais qualificados, comprometidos e entusiasmados, é quase impossível que o negócio se destaque no mercado e que alcance os objetivos desejados.

Então, para iniciar o RH estratégico, comece pelo “porquê”. Mostre à alta administração que é preciso investir no assunto e aos gerentes médios, que devem estar comprometidos. O RH estratégico se faz com o empenho de todos, a partir do CEO!

Conte com tecnologia de ponta

Não dá para criar um RH estratégico investindo em processos defasados ou em tecnologias obsoletas. É preciso de mais, muito mais. Busque por tecnologias de ponta, softwares capazes de automatizar atividades-chave e otimizar o trabalho diário.

Um bom exemplo é o software de recrutamento e seleção. Ele automatiza diversas etapas, como a triagem de currículos e o envio de feedback aos participantes. Assim, enquanto o software trabalha nas rotinas operacionais, o gestor de RH pode focar no que é estratégico.

Monitore os resultados

Um RH estratégico é focado em resultados. É preciso saber exatamente aonde quer chegar, como e quando. Dessa forma, poderá focar os recursos disponíveis (como tempo, energia e dinheiro) com mais inteligência e seletividade.

Portanto, comece estabelecendo um (ou alguns, poucos) objetivo que norteie as ações do RH. Transforme esse objetivo em metas menores e mais fáceis de alcançar. Por fim, defina indicadores e métricas capazes de monitorar o alcance desses objetivos e metas.

Qual o papel do gestor de RH nesse processo?

Em todo o processo de empoderamento do RH, tornando-o protagonista e estratégico, o gestor de RH deve assumir um papel ativo. Ele deve compreender com propriedade as demandas internas da organização e atendê-las por meio da ótima gestão de pessoas.

Além disso, o gestor deve acompanhar a evolução do mercado. Por exemplo, quais são as novas tecnologias, práticas e processos que norteiam a gestão de pessoas. Depois, adotar essas novidades dentro da empresa — focando, mais uma vez, em resultados superiores.

Tenha em mente que o protagonismo do RH gera uma série de benefícios, como a contratação de gente alinhada à cultura da empresa, redução de custos, melhoria da comunicação e a criação de uma vantagem competitiva. Para tanto, é preciso de objetividade, gente engajada e tecnologia de ponta. Nada a menos!

Agora que você está por dentro do protagonismo do RH, aproveite para continuar aprendendo conosco. Siga nossas redes sociais — estamos no LinkedIn, Facebook, Instagram e Youtube.

Escreva um comentário