Foi-se o tempo em que os trabalhadores eram vistos como máquinas, que deveriam chegar a seus postos de trabalho, exercer suas atividades e ir para suas casas apenas em troca de um salário.

Hoje, atrair e reter um profissional talentos requer que as empresas invistam em um planejamento estratégico de gestão de pessoas. Afinal, o capital humano é o bem mais valioso de um negócio. É por meio dele que as organizações podem alcançar os tão desejados bons resultados.

Para isso, é necessário que esses colaboradores sejam vistos e tratados como o que realmente são: seres humanos sujeitos a emoções, com desejos e demandas. Por meio do setor de Recursos Humanos, os gestores podem alinhar as necessidades da empresa aos interesses desses talentos. Para descobrir como fazer isso, acompanhe o nosso artigo!

O que é planejamento estratégico de gestão de pessoas?

O planejamento estratégico de gestão de pessoas pode ser definido como um grande projeto em que um objetivo deve ser alcançado seguindo um caminho pré-determinado. Identifica-se não só o problema, porém, também o conjunto de ações que torna possível a sua solução.

Quando se trata do departamento de recursos humanos, o planejamento estratégico começou a ganhar destaque com o passar dos anos. O mercado de trabalho é um cenário que está sempre em transformação e atualmente reconhece a força laboral humana como a grande chave para que metas sejam alcançadas.

Nesse contexto, é correto afirmar que o planejamento estratégico é bastante útil para vários processos dentro de uma organização, entre eles:

  • Medir as competências de cada profissional;
  • Verificar necessidades da empresa no que diz respeito às habilidades da equipe;
  • Desenvolver as habilidades por meio dos treinamentos certos;
  • Avaliar as demandas por novas contratações ou demissões;
  • Estruturar processos seletivos direcionados;
  • Impactar na produtividade;
  • Melhorar a relação entre contratante e contratados.

Logo, promover o planejamento estratégico de gestão de pessoas, é uma maneira muito sábia de conquistar profissionais de alta performance e alavancar os resultados da corporação.

Quais os 5 pilares da gestão estratégica de pessoas nas organizações?

Assim como qualquer processo estruturado, a gestão estratégica de pessoas tem seus próprios pilares de sustentação.

Afinal, para alcançar resultados sólidos, a base precisa ser consistente e segura. Por isso, há 5 pilares de um planejamento estratégico a ser bem trabalhados. Confira:

1. Motivação

O primeiro pilar é a motivação adequada dos funcionários. Ela pode ser conquistada por meio de medidas de incentivo que garantem conforto, qualidade de vida e reconhecimento pelo bom trabalho realizado.

Desse modo, o profissional verá que não está se esforçando em vão e vai atuar com mais engajamento e motivação para promover conquistas cada vez maiores.

Consequentemente, o colaborador motivado passa a realizar o trabalho de maneira mais ágil e com mais qualidade. Ou seja, a produtividade aumenta e, ao mesmo tempo, os erros diminuem.

2. Comunicação

O segundo pilar é o desenvolvimento de uma comunicação clara, objetiva e que funcione como uma via de mão dupla, por meio da implementação da cultura do feedback.

Ou seja, tanto os gestores, quando os colaboradores precisam ter a oportunidade de se expressarem e criarem um ambiente mais agradável a todos.

Com a melhoria da comunicação interna, a organização conquista inúmeros benefícios, tais como a melhoria do clima organizacional, o aumento na confiabilidade das informações e a redução dos equívocos nos processos.

3. Trabalho em equipe

O terceiro pilar é a conquista da qualidade do trabalho em equipe. Ela pode ser alcançada por meio do entendimento de cada membro sobre sua importância e seu papel dentro da organização.

Desse modo, os colaboradores terão uma visão mais sistêmica e compreenderão que a ascensão de um, representa a ascensão de todos. Logo, ambos serão extremamente companheiros e empáticos.

Com isso, as equipes tornar-se-ão mais comprometidas e produtivas, desenvolvendo um trabalho de qualidade e visando o bem comum.

4. Melhoria contínua

O quarto pilar é a melhoria contínua. Ela pode ser conquistada com o investimento em constante capacitação, bem como em atenção e desenvolvimento das competências individuais.

Dessa forma, será possível agregar valor às características e permitir que o colaborador seja direcionado a funções mais pertinentes ao seu perfil e não que apenas se destaque em seu setor de atuação.

5. Desenvolvimento pessoal e profissional

Por fim, o quinto pilar é o desenvolvimento pessoal e profissional. Ele pode ser conquistado por meio de cursos de atualização que promovam a evolução do colaborador e outros programas capazes de agregar valor ao seu desempenho na companhia, bem como desenvolver maior qualidade de vida e mudanças na relação do indivíduo com a sociedade.

Como montar o plano de gestão de pessoas?

Até aqui, foi possível observar o que é o planejamento estratégico, como ele pode ser utilizado e seus pilares de sustentação. Por meio dessas informações, fomos capazes de entender a sua importância, que é investir no capital humano para que a força de trabalho promova resultados cada vez mais positivos.

Além disso, um bom planejamento pode ser visto na retenção de talentos, criação de um clima favorável no ambiente corporativo, motivação e engajamento das equipes, bem como na melhoria do desempenho dos profissionais.

Para conquistar todos esses benefícios, é necessário estruturar um planejamento estratégico de gestão de pessoas eficiente. A seguir, confira um passo a passo para realizar essa estrutura de forma sábia, garantindo resultados.

Passo 1. Analise o momento

O primeiro passo para realizar um planejamento estratégico de gestão de pessoas eficaz é analisar o momento da companhia.

Logo, faça uma análise detalhada sobre o departamento de Recursos Humanos da empresa. Busque identificar os pontos fortes e fracos apresentados pela corporação.

Com isso, crie um panorama do que deve ser melhorado para que a organização se torne mais competitiva no mercado.

Passo 2. Analise o cenário externo

O segundo passo é realizar uma análise do cenário externo, ou seja, identificar as oportunidades e ameaças aos quais a corporação está exposta.

Com isso, é possível ter um panorama sobre as condições do mercado, suas necessidades, o posicionamento dos concorrentes e dos profissionais, bem como a percepção e expectativa dos clientes.

Desse modo, torna-se mais simples criar estratégias inteligentes a fim de surpreender e atender às demandas do mercado e, consequentemente, ampliando o potencial competitivo da empresa.

Passo 3. Identifique as necessidades

O terceiro passo, após identificar o cenário da empresa e do mercado, é identificar as necessidades apresentadas de forma sistêmica. Ou seja, as expectativas do público interno e externo, as demandas do mercado e as carências da própria corporação.

Com isso, é possível identificar quais políticas podem ser implementadas por meio do planejamento estratégico para suprir essas necessidades.

Passo 4. Determine e aplique as estratégias

Após identificar as necessidades, tendências, demandas e o que pode ser feito. O quarto passo trata-se de determinar e aplicar as estratégias.

Essa etapa pode ser colocada em prática por meio do investimento em treinamentos, aplicação de feedbacks e aprimoramento da comunicação interna.

Logo, é necessário conhecer os pontos fortes e os pontos de melhoria dos profissionais e buscar desenvolvê-los, bem como compreender suas expectativas e demandas por meio da promoção de uma comunicação interna mais clara e objetiva, melhorando o clima organizacional e fortalecendo a confiança entre as partes.

Passo 5. Faça o controle e a avaliação das políticas implementadas

Por fim, após determinar e aplicar as estratégias, faz-se necessário realizar o controle e a avaliação das políticas implementadas.

Logo, é primordial que haja análise e o controle da efetividade dessas ações. Logo, se os resultados esperados forem conquistados, as ações devem continuar recebendo investimentos.

Caso contrário, é preciso retornar ao passo 1, identificar em que ponto houve a falha e elaborar novas estratégias para corrigi-la e garantir o sucesso do seu planejamento estratégico de gestão de pessoas.

Como a tecnologia pode ser útil ao planejamento?

Na realidade, o planejamento estratégico começou a fazer parte das empresas devido aos avanços tecnológicos. Inúmeras ferramentas foram criadas para captar e analisar dados de maneira segura, trazendo eficácia para as atividades pertinentes ao setor de recursos humanos, otimizando os dons relacionados à gestão de pessoas, e ao tempo desses profissionais.

Softwares de gestão online e outros sistemas são utilizados como verdadeiros aliados, trazendo qualidade aos processos e contribuindo para o monitoramento e controle das operações.

Assim, o departamento de Recursos Humanos pode redirecionar as suas atividades: as máquinas passaram a realizar o trabalho burocrático, para que os gestores possam fazer parte dos processos de tomada de decisões.

A tecnologia, aliás, é um dos elementos mais importantes para um planejamento estratégico bem feito.

Afinal, a automatização de tarefas liberou tempo para que os gestores pudessem se dedicar a uma atuação voltada ao alcance de resultados, reduzindo falhas e produzindo relatórios com informações seguras e bastante precisas a respeito dos colaboradores e do resultado da empresa como um todo.

Com as informações expostas acima, podemos concluir que a adoção do planejamento estratégico de gestão de pessoas só traz benefícios para as companhias e para os colaboradores. É por isso que há tanto investimento na automatização dos processos relacionados ao setor de Recursos Humanos. A tendência é que essas ferramentas continuem evoluindo, para que os profissionais possam manter o foco em formar equipes cada vez mais qualificadas.

Um dos processos que puderam ser automatizados está relacionado ao recrutamento e seleção de talentos. Para saber mais, confira agora mesmo como funcionam os processos seletivos digitais.

Escreva um comentário