O onboarding de novos colaboradores refere-se ao processo de integração dos recém-contratados à empresa e às equipes que já estão em funcionamento. Desse modo, é possível que entreguem resultados melhores, mais ágeis e padronizados.

No entanto, é preciso saber arquitetar o processo de onboarding. Não basta dar um crachá ao novo contratado, apresentá-lo aos outros funcionários e mostrar sua mesa de trabalho. É preciso fazê-lo se sentir parte do time — e isso começa ainda no processo de seleção.

Adiante, explicamos 6 práticas de onboarding de novos colaboradores que você deve aplicar (ou aperfeiçoar) em sua empresa. Por esse motivo, continue sua leitura atentamente.

1. Comece com o “pé direito”

O sucesso da integração depende, em parte, da experiência prévia que o profissional tem com a empresa. Essa experiência prévia é construída ao longo do processo de contratação, nas etapas de recrutamento e seleção (R&S), quando o talento ainda nem faz parte do time.

Portanto, busque começar com o “pé direito”. Como você não sabe qual candidato será o contratado (e, depois, integrado), crie uma ótima experiência de R&S para todos.

Há muitas técnicas úteis para isso. A primeira é modernizar todo o processo, tornando-o mais acessível, fluido e preciso. Quando os candidatos encontram muitos “gargalos” no R&S, ficam com uma imagem negativa da empresa, o que pode prejudicar o onboarding.

Adotar softwares dotados de inteligência artificial, que automatizam certas tarefas (por exemplo, a triagem de candidatos ou o envio de feedbacks), é um ótimo começo. Além de garantir uma melhor experiência aos candidatos, terá mais eficiência operacional.

2. Conte uma boa história

Quase todo mundo gosta de uma boa história; por isso, filmes, séries e livros fazem tanto sucesso. Então, aproveite para contar a história da empresa, mostrar como tudo começou, os desafios enfrentados (e superados) e para onde o empreendimento está seguindo.

Entretanto, cuidado para não criar uma história longa demais, pois isso pode tornar o processo chato. Uma apresentação de 10 ou, no máximo, 15 minutos é suficiente.

Existem algumas táticas para contar uma história boa e cativante. Não se prender demais aos números e datas é um bom começo. Criar uma narrativa fluida, com personagens interessantes (o fundador inventivo ou a CEO destemida, por exemplo) é outra boa dica.

Ainda, é importante contar com recursos visuais, como um slide caprichado, pois facilita o transporte narrativo do recém-contratado. Em outras palavras, ele terá mais facilidade para compreender a história e até se imaginar como um novo personagem.

3. Realize uma visita guiada pelas instalações

Após contar uma boa história, aproveite para fazer um passeio pelas instalações da empresa. Mostre a nova “casa” do profissional, onde ele vai passar boa parte da sua vida produtiva. Isso é importante para que ele se sinta mais à vontade e por dentro de tudo.

Não existe exatamente um roteiro para a visita, afinal, as empresas variam bastante em termos de tamanho e segmento. Portanto, é preciso criar um para sua empresa.

Em uma indústria, por exemplo, é muito interessante mostrar todo o processo fabril, que dá origem aos produtos que são comercializados. Comentar sobre os rigorosos padrões de qualidade, foco na satisfação do cliente, entre outras políticas, também é interessante.

No caso de uma startup, cuja estrutura costuma ser mais enxuta, também é possível fazer uma visita guiada. Aproveite para explicar os processos e responsabilidades de cada área ou equipe de trabalho. Desse modo, o novo talento se sentirá mais acolhido.

4. Explique o porquê de tudo

Por qual razão a empresa existe? A Coca-Cola, por exemplo, existe para refrescar o mundo em mente, corpo e espírito. A Tesla Motors, por sua vez, para acelerar a transição do mundo para a energia sustentável. E sua empresa?

Ao apresentar a missão do negócio, você explicará a sua razão de existir. É como dizer ao recém-contratado: “É por isso que estamos aqui. Sem isso, nada feito”.

Exatamente por isso, apresentar a declaração de missão gera sintonia. O profissional passa a saber o que é prioridade no ambiente de trabalho e como se adaptar a isso. Também poderá se sentir mais inspirado, parte de um negócio com propósito… um porquê claro.

5. Apresente a equipe de trabalho

Há uma grande diferença entre grupo e equipe. Uma torcida de futebol, por exemplo, é um grupo — são vários torcedores reunidos para ver seu time jogar. O time que está em campo, por sua vez, é uma equipe. Nesse caso, existe propósito, consistência e compromisso coletivos.

A ideia é que o novo funcionário se sinta parte de uma equipe, nunca de um simples grupo. Para tanto, é necessário apresentar seus colegas de trabalho e mostrar que pode contar com eles sempre que necessário. De igual modo, o talento deve vestir a camisa da empresa.

Uma ideia interessante é fazer um coffee break de boas-vindas. Caso o time seja grande ou a rotina esteja muito intensa, ao menos apresente pessoas-chave — isto é, colaboradores que terão mais contato com o recém-contratado. Desse modo, terá mais sucesso na integração.

6. Selecione um mentor para o onboarding

Todas as dicas anteriores representam etapas iniciais do processo de onboarding. São importantes, mas não suficientes. A completa integração pode durar algumas semanas ou meses — e é impossível estar todo esse tempo ao lado do recém-contratado.

Portanto, trabalhe com mentores. São profissionais que fazem parte da mesma equipe (logo, estão ao lado do recém-contratado por mais tempo) e que contam com experiência na empresa. Então, estão aptos a ensinar as regras do “jogo” e fazer com que o onboarding funcione.

Escolha cuidadosamente o mentor. Tenha certeza de que ele entende a importância do seu papel e que está comprometido com a integração do novo colega. Se possível, crie um minicurso sobre o assunto, mostrando as melhores práticas e como elas podem ser aplicadas.

Agora você está por dentro do assunto. Lembre-se de que tudo começa no R&S, sendo importante adotar boas tecnologias para tornar esse processo mais fluido e agradável. Além de tudo, é interessante pedir feedbacks ao recém-contratado, avaliando se sua experiência dentro da organização está sendo positiva. Assim, você poderá melhorar seus resultados no onboarding.

Gostou do nosso artigo e já sabe como fazer o processo de onboarding de novos colaboradores? Aproveite para continuar aprendendo conosco. Leia sobre a importância do feedback no processo seletivo!

Escreva um comentário