Powered by Rock Convert

Os profissionais da área de recursos humanos devem ficar atentos às mudanças do mercado. Além de exigir profissionais especializados, ele passou a valorizar pessoas que têm as tão comentadas competências do profissional do futuro. Com base nelas, definimos o profissional do futuro — alguém apto para encarar as necessidades do mercado.

O profissional do futuro é criativo, sabe resolver problemas complexos, tem inteligência emocional, lida bem com a diversidade, é flexível, está aberto a mudar conceitos e atitudes, consegue se comunicar com eficiência, é proativo e ainda domina as tecnologias atuais.

É sobre cada uma das competências do profissional do futuro que falaremos a seguir. Continue a leitura para saber mais!

1. Criatividade

A criatividade é uma competência essencial a qualquer profissional, pois está intimamente ligada a vantagem competitiva. O profissional criativo contesta os padrões e vai além do óbvio, não se limitando à própria zona de conforto. Por meio da experimentação, busca o diferencial.

Diante de um problema, o profissional que é criativo consegue pensar em diferentes soluções. Isso ocorre porque ele busca ser um identificador de oportunidades e, para isso, conta com o apoio e a colaboração dos seus colegas de trabalho. Trata-se de uma visão sistêmica, preocupada com o todo — não apenas o individual.

Uma vez que promove a integração entre os membros da organização, torna-se mais fácil desenvolver conexões e encontrar soluções inovadoras. Desse modo, extraem-se, de todos, as melhores ideias e atitudes, qualificando a equipe para que supere os desafios e alcance os objetivos da companhia.

2. Capacidade de resolver problemas complexos

Diante de um mercado cada vez mais competitivo, o profissional do futuro precisa ter a capacidade de resolver problemas complexos. Trata-se de perceber e criar estratégias efetivas que resolvam as novas situações e as que ainda permanecem sem definição.

Em outras palavras, essa capacidade envolve a construção de uma forma sistêmica, simplificada e rápida para se obterem respostas consistentes e eficientes. Parece simples, mas envolve um ambiente complexo, que é composto por tecnologias, pessoas e conceitos limitados.

O desenvolvimento dessa habilidade se dá por meio de muita pesquisa e treino. Além disso, é necessário se aprimorar constantemente, afinal, a todo instante, surgem novidades capazes de mudar os processos atuais. Por isso, o profissional deve treinar suas soluções a partir de diferentes perspectivas.

3. Inteligência emocional

Competência que todo ser humano tem, contudo, são poucos os que sabem usá-la em benefício da carreira. A inteligência emocional está relacionada com habilidades como automotivação, resiliência, controle de impulsos e canalização de emoções para situações apropriadas.

Capacidades emocionais bem empregadas podem mudar o rumo da vida de um profissional. Torna-se possível extrair o melhor de cada pessoa, otimizando a realização de trabalhos em equipe — gerando produtos e serviços com alto padrão de qualidade.

A rotina profissional coloca as pessoas diante de situações de grande complexidade, exigindo uma alta capacidade de resolver problemas com rapidez e de modo preciso, além de lidar com diferentes personalidades e o futuro, que é incerto e pode trazer insegurança.

4. Saber lidar com a diversidade

O nosso planeta nos mostra diversidade em toda parte, tanto na natureza quanto nas diferentes culturas dos povos. Somos, ao mesmo tempo, iguais e diferentes. Sentimentos e necessidades físicas, biológicas e materiais colocam as pessoas em um nível de igualdade. Contudo, as diferenças levam aos conflitos.

Muitas pessoas acreditam que suas crenças e valores são mais importantes do que os dos outros. Em sociedade, isso torna as relações cada vez mais complexas. Na rotina de uma organização, pode custar um cargo ou emprego. No entanto, a globalização retirou o espaço que essa dificuldade tinha para existir.

A maioria da população tem acesso à informação e, por meio dela, adquire a oportunidade de conhecer diferenças culturais, étnicas, religiosas e de gênero. Não existe mais espaço para preconceitos, atitudes machistas ou racistas e intolerância religiosa. Saber lidar com a diversidade é uma competência fundamental do profissional do futuro.

5. Ser flexível e aberto a mudanças

Existe uma sabedoria chinesa que ensina o seguinte: “em noite de tempestade, as árvores rígidas são as primeiras a quebrar”. Do ponto de vista profissional, faz todo sentido. Quem não é flexível acaba sucumbindo diante da necessidade de inovar exigida pelo mercado.

Negócios e relacionamentos são finalizados por falta de flexibilidade. Essa ausência de maleabilidade e de abertura a mudanças revela profissionais que não estão dispostos a crescer. Somada à iniciativa, a flexibilidade permite a abertura às novas ideias e a rapidez necessária para reagir diante das mudanças.

O profissional que se comporta assim está sempre pronto para abraçar novos olhares, buscando aliados que se engajem para a implementação deles. Trata-se de sair da zona de conforto, aquela que promove uma falsa segurança. Quem deseja ser feliz e próspero e obter sucesso não pode ser rígido como a árvore do provérbio.

6. Bom nível de comunicação e proatividade

A oratória é definida como a arte de falar bem em público. No entanto, para qualquer profissional, é necessário que ele saiba se comunicar — com um ou mais indivíduos, independentemente da quantidade. Por meio dessa competência, é possível transmitir e adquirir conhecimento.

A transmissão de um conhecimento deve ocorrer de forma objetiva, simples e de fácil compreensão. Além de estar apto para transmitir, o profissional do futuro deve ser capaz de receber novas informações e transformá-las em conhecimentos — agindo como um multiplicador.

Outro ponto importante é a capacidade de ser proativo, sem esperar que alguém peça a resolução de um problema que já foi identificado. Ser proativo significa ter atitude, tomar frente e adiantar o necessário para que a situação não se converta em um problema maior.

7. Domínio de novas tecnologias

Por fim, uma das competências do profissional do futuro deve ter é a de dominar as novas tecnologias. É necessário se manter atualizado em relação às técnicas que surgem, rever conceitos e analisar processos para otimizá-los. Quem vai contra isso acaba preso ao passado, perdendo espaço para o profissional atualizado.

As empresas precisam se preocupar em recrutar profissionais que apresentem uma visão de futuro, além de capacitar os colaboradores já contratados para que desenvolvam essas competências. Desse modo, o profissional do futuro pode ser encontrado tanto fora quanto dentro da empresa.

Se você gostou de conhecer as competências fundamentais do profissional do futuro, aproveite para seguir nossos perfis nas redes sociais e ter acesso a outras dicas e informações essenciais para a melhoria dos seus processos de recrutamento e seleção: Facebook, Instagram e LinkedIn.

Powered by Rock Convert

Escreva um comentário